facebook.com/monica.sampaio1 (perfil 1)

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Perguntas & Respostas sobre a Profissão de RADIALISTA (Cristão)


Recebi o email abaixo,com as dúvidas de um amigo cristão que se formou em RADIALISMO.

PERGUNTA:


"Oi Monica, tudo joia?

Li que vc era radialista cristã, eu queria muito tirar uma duvida. Eu sou formado em rádio e tv e queria saber até onde, como cristão, eu devo ir na profiissão pra não desagradar a Deus?
Até porque é difícil ter espaço em qualquer rádio, que dirá evangélica. Mas o que fazer pra vencer nessa área, sendo que é tão difícil, as pessoas são tão competitivas e lutam pra ter o seu espaço. Quem está nesse meio não quer ajudar um aspirante. Por mais que vc tenha habilidade e dom, não exerce porque não tem oportunidades.
E outra dúvida, se a música secular não é feita pro cristão, então o emprego numa rádio secular não é pra cristão? Que meios a gente tem pra ser bem sucedido nessa área??
Eu realmente sinto que investi 4 anos estudando em algo que é minha paixão, mas não consigo ajuda, nem oportunidades surgem, e quando surgem são poucas. Pensei em desistir do rádio.
Tenho me sentido mal, terminei meu serviço numa empresa de monitoração de rádio porque sai de lá, e fico me perguntando: "Deus e agora, que eu faço? Não tem vaga".
E TV? Se eu fossse pra TV eu teria que concordar com muita coisa que é oferecida diariamente nos lares das pessoas que mais destróem eles do que edificam. O que fazer?
São muitas dúvidas. Quero muito seguir em frente nessa carreira e ter sucesso.
O sucesso é uma bênção?
Me ajuda.

Abraço"


A resposta que eu dei poderá ajudar alguém que esteja com dúvida semelhante. Por isso, pedi licença ao amigo para publicar nossa conversa no meu blog, sem mencionar o seu nome, é claro.

RESPOSTA:


A Paz.
"queria saber até onde, como cristão, eu devo ir na profissão pra não desagradar a Deus?"
Você pode ir até aonde a lei/regra do homem não transgrida a lei de Deus que você tem grafada nas tábuas do teu coração (Hebreus 8:10).

"Até porque é difícil ter espaço em qualquer rádio, que dirá evangélica."
Essa dificuldade é normal em todas as áreas onde a procura é maior do que a oferta. Mas nada que seja desestimulante.

"Quem está nesse meio não quer ajudar um aspirante. "
Não é verdade isso; não generalize. Eu mesma já iniciei muitas pessoas ao longo destes meus 27 anos de profissão.


"Por mais que vc tenha habilidade e dom, não exerce porque não tem oportunidades."
Não concordo, amigo. A não ser que o meu conceito sobre "oportunidades" seja diferente do seu, irmão.

Essa "choradeira" não é sua, eu acho; você deve estar reproduzindo discurso de profissionais que esbarraram em obstáculos e, ao invés de transpô-los, ficaram à margem do mercado, se lamentando.
Não "compre" massa falida, meu amado irmão; se fosse assim, seriam fechados os cursos de Radialismo, já que, como disseram para você, não se contrata mais ninguém.
Todo primeiro emprego é difícil; mas não é impossível, primeiro, para quem crê no Deus vivo e Todo-poderoso, e depois, para quem sabe o que quer e batalha para chegar aonde almeja. Na Bíblia está escrito (sobre Davi) que Deus "socorreu um que é ESFORÇADO". Esta é a ideia. Esforce-se. Catuque o lorto do mercado. Fuce. Pergunte. Corra atrás. Deus irá te honrar.

"E outra dúvida, se a música secular não é feita pro cristão, então o emprego numa rádio secular não é pra cristão? "

Quem disse que a música secular não é feita pro cristão? Uma coisa é louvor - e louvor a Deus - e outra é poesia. Não deixe te colocarem numa caixinha com o rótulo: SOU EVANGÉLICO. NÃO POSSO ME MISTURAR COM VOCÊS DO MUNDO.
Senão, você se torna um daqueles que, ao verem Jesus no jantar promovido por Levi (Mateus) em sua conversão, começaram a fuxicar entre si, maledizendo o fato de Jesus estar comendo com os publicanos e pecadores.
O que seria do povo de Deus se a rainha Ester não tivesse se casado com o rei? Ela não estaria lá no reino, no momento crucial em que os judeus precisavam de um intercessor que tivesse credibilidade junto ao rei.
O que seria de Jacó e seus outros filhos, e todo o povo judeu que encontrou alimento no Egito, se José não estivesse lá, enviado por Deus?
O que seria dos 3 reinos por onde Daniel passou, se ele não estivesse lá para mostrar a grandeza do Deus que servia?
Deus tem Seus Planos, Denis, e lamento informá-lo que existe uma grande quantidade de "crentes" que não conseguem discernir os "estranhos atos" e as "estranhas obras" de Deus (Isaías 28:21)
Cuidado com as "caixinhas"; elas engessam a sua inteligência e o seu contato com o Criador. E a religião é uma delas.
Estude a Bíblia. Medite. Lá você encontrará todas as respostas.
Entre para o mercado. Você saberá fazer as suas escolhas com sabedoria, se pautar suas decisões na Palavra de Deus.
Cuidado com pregadores medrosos e falso moralistas que engessam as igrejas que pastoreiam.
Espero que minhas palavras tenham servido para abrir os seus olhos, para que você possa realmente servir a Deus em espírito e em verdade.
Na paz"



RÉPLICA:


"Mônica essa barreira é minha sim. Eu mando currículo pras rádios não há respostas. Depois você tenta contato com o responsável que recebeu seu material, não sabem quem você é nem o que você mandou. Alguns até dizem que receberam, mas dizem que está saturado. Estou falando do mercado na região de Campinas irmã. Tá complicado. Não tem anúncio de vagas pro radialista.
Então me fala o que é o conceito de oportunidade. Porque como você luta pela regulamentação da profissão e está no mercado há um tempão, você sabe que há divisão entre os que conseguiram o DRT por tempo de experiência e hoje atuam pela legalidade que conseguiram e aqueles que conseguiram a licença antes de conseguirem trabalhar. Isso é muito injusto, se for ver são todos pessoas querendo um lugar ao sol.

Sobre o louvor e a poesia, você está certíssima mesmo. Só que hoje nos louvores da igreja que cantamos, há letras que cantamos "Sou livre pra viver por Ti", "Deus vem nos buscar", "Maranata, vem Senhor", "Envia-me às nações", "Largo tudo pra te servir"... e ai... são louvores...

Se for seguir tudo que a gente canta, a gente não pode mesmo trabalhar em cargos que nos afastam da obra.

Outra coisa, meu pastor tem perguntado todo domingo: "não desista do chamado que Deus te confiou", "não siga Deus de longe", a palavra que o pastor deu no início do ano foi "não entre em jugo desigual" sem qualquer explicação ele disse que o mundo oferece muitas coisas que nos seduzem nos fazem afastar de Deus. Música secular aprendo que rouba a adoração a Deus.

Minha cabeça tá um nó! Por isso que te escrevi tudo isso. Vi em você uma pessoa compreensiva, que pudesse entender o que passo.

Paz, Deus te abençõe!"


RESPOSTA da RÉPLICA:

"Então me fala o que é o conceito de oportunidade."

Vamos lá. Gosto de gente assim como você, que me estimula.
Primeiro, eu creio que oportunidade não dá em árvore; oportunidade se cria em casa.
Pesquise o mercado da sua região. O seu foco não pode ser no que já existe. Procure o que não existe.
Sim. Iguais a mim e a você tem aos montes, até pagando para trabalhar. Literalmente.
Olhe para a sociedade e olhe para a mídia Rádio: o que está faltando?
Isso é "catucar o lorto" do mercado. Isso é fuçar.
Vaga - todo mundo quer.
Essa é a oportunidade que estou falando: Você mesmo criar uma vaga para você.
È para este tipo de profissional que o mercado está sempre aberto: para aquele que traz novidades.
Para fazer o mesmo que os que já estão fazem há zilhões; para estes realmente o mercado está saturado.
Ah, mas eu não tenho experiência!
Mas tem iniciativa - senão não teria me procurado -, e vontade de trabalhar nisso - senão não teria feito a faculdade.

Vamos lá! Você é um cara bem informado, jovem, sangue novo, cheio de disposição; o que você pode trazer de diferente para o mercado radiofônico? O que NÃO ESTÃO fazendo?
Crie!
Saiba que um camarada de 22 anos, criou no Brasil, iniciando na década de 70, uma nova linguagem, um novo formato, de FM Jovem: a Rádio Cidade FM, no Rio de Janeiro!
O que é que um cara de 22 anos tem?
Intrepidez.
Criatividade.
Garra.

Se você deixar Deus morar no teu coração, creio que não correrá o perigo de trocá-lo pelas coisas mundanas.

Eu não tentei um programa de TV - ainda -; mas sabe o que eu fiz? Peguei um programa com a mensagem bíblica que eu fiz no Rádio e, em parceria com meu filho mais velho, o produzimos em vídeo e postamos no youtube. Praticamente de graça! É uma linguagem diferente da abordagem comumente feita pelo evangélico. Eu fiz! Está aí. Não precisei que me dessem espaço: eu cavei um espaço. Estou no ar!
E sabe de outra coisa? A mídia Internet está cada vez mais atraindo parcerias publicitárias. Em breve, estarei ampliando as tendas do meu ministério evangelístico de mídia.
Dei a volta, amigo.
O nosso Deus é Deus de estratégia. Ora ele manda entrar pela porta da frente; ora, pela porta lateral.

Vamos continuar conversando.

Se você me permitir, gostaria de publicar este nosso papo no meu blog Radialista, para ver se ajudamos outros com dúvidas parecidas. Não colocaria o seu nome, é claro.

Um abraço fraterno.


TRÉPLICA:


"Se for importante pra você, pode publicar sim.
Você está certa no que diz.

Deus te abençôe.

Paz"

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

A indenização aos exilados políticos e as vítimas da escravidão



Como disse um amigo meu esses dias: “o vento que venta aqui venta lá”.

Por que dois pesos e duas medidas?

Por que houve - e há - todo esse mover para indenizar as vítimas da perseguição política da ditadura brasileira, e nem uma palha foi tirada do lugar para indenizar os descendentes das vítimas da ESCRAVIDÃO NEGRA no país?
Será, talvez, porque no primeiro caso, legislam em causa própria?

Por favor, não estou desmerecendo a decisão da justiça em indenizar àqueles que, por terem lutado para que a liberdade e a democracia prevalecessem em nosso país, foram perseguidos, cassados e torturados. Mas, e quanto àqueles que deram seu suor, sua dignidade, suas famílias e sua vida para alimentar os nossos antepassados, com seu trabalho amoral nos campos do nosso país? E quanto àqueles que foram arrancados do seio de suas famílias por nossos antepassados, para os servirem de forma tão vil e cruel? Não há indenização para seus descendentes por tão terrível sofrimento?
Não.
Sabe por que?



Porque todos os documentos comprobatórios da escravidão no nosso país foram DESTRUÍDOS por sugestão do então ministro, Sr. Ruy Barbosa.
E a sua intenção publicamente, era digna: apagar da história essa mancha abominável da escravização de um ser humano por outro ser humano.

Mas a verdadeira intenção era escusa: DESTRUIR AS PROVAS DESSE CRIME, para que, no futuro, os afro-descendentes não viessem impetrar ações indenizatórias. Pois este futuro estava com os dias contados: 1989 – exatamente cem anos depois da assinatura da Abolição da Escravatura, que diga-se de passagem, foi uma grande farsa! A princesa Isabel não foi boazinha, humanitária, ou coisa que o valha; estava sim, sendo pressionada pelos abolicionistas, num autêntico “ou dá ou desce”. E para evitar o inevitável movimento ladeira abaixo tipo “chute no traseiro” ou “house fer botten” (não sei como se grafa, mas significa GET OUT; FORA DAQUI!), deu aquele sorrizinho amarelo, aceitou a carapuça de boazinha e concedeu a liberdade aos negros escravos.



Ufá! No filme Ghost há uma cena em que a personagem interpretada pela atriz Whoopy Goldberg, uma trambiqueira que tem um centro espírita, começa a ser perseguida pelo “espírito” do herói morto, para ajudá-lo a prender o seu assassino e o mandante do crime, que descobriu ser seu melhor amigo e colega de trabalho. Então, esse “espírito”, dando um golpe no golpista, transferiu para uma conta bancária toda a fortuna do golpe que estava para ser concluído e a fez ir sacar no banco. Na saída, de posse do cheque polpudaço, mas sujo, o “espírito” a fez doar a duas freiras que estavam com uma banquinha na rua, angariando ofertas para o seu convento. Quando a personagem da Whoopy entrega o cheque na mão da freira, ela demora a solta-lo, arrependida de estar abrindo mão daquela fortuna.


Bem, é isto.
Que os exilados políticos tenham direito à indenização não há dúvida . (Será que todos eles têm mesmo direito? Não daria para fazer uma revisãozinha nos casos? Talvez alguns tenham recebido pelo efeito “dominó” ... vai saber?)
Se é para indenizar alguém, então, vamos indenizar os descendentes dos escravos também.
Toda vítima de abuso tem direito a ser ressarcida.
Os negros, afro-descendentes, também.
Ou vamos rever essas indenizações “dominó” e, inclusive aquelas recebidas por criminosos– pois os fins não justificam os meios; a justiça não precisa das armas da impiedade -, que estavam a serviço da democracia, ou vamos, de uma vez por todas, limpar essa “sujeira” do ilustre Ruy Barbosa. Desculpem-me os seus descendentes; não é nada pessoal. Se eu estiver errada, por favor, me corrijam. Com fatos.



monica.sampaio1@gmail.com

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

VOCÊ BEBEU GATO POR LEBRE?



Eu bebi.
Eu bebi cerveja SEM ÁLCOOL , crendo que estava bebendo cerveja SEM ÁLCOOL, mas na verdade, estava bebendo 0,37% de álcool a cada 100 gramas.
Há 3 anos eu parei de beber, pois estava tendo problemas de dependência alcoolica.
E não só isso: estava começando o meu ministério evangelístico, o que me exigiria transformar-me num bom exemplo em todas as coisas; evidenciando aperfeiçoamento moral, emocional e espiritual. Foi quando os meus vícios alcoolicos e tabagistas foram abandonados por mim.
Não que eu fosse muito chegada à cerveja – bebia bebidas mais fortes -, mas uma cervejinha gelada no verão, caía bem.

Um belo dia, vi que havia jeito de beber uma cerveja sem alterar o meu estado mental devido ao álcool: a maravilhosa invenção da cerveja SEM ÁLCOOL!



Assim, como eu, ex-alcoolatras, que não podem ingerir o mínimo de álcool; pacientes que fazem uso de remédios controlados para o coração, Epilepsia, Mal de Parkinson, Depressão entre outras doenças; e pessoas alérgicas ao álcool e vinagres fomos LUDIBRIADOS! Fomos ENGANADOS pela torpe ganância dos fabricantes de cerveja! Pois, configura-se ATENTADO AO CONSUMIDOR estar em letras GARRAFAIS grafado no rótulo das latinhas e garrafas que o produto é SEM ÁLCOOL.

Se está escrito bem grande que é sem álcool, por que deveríamos nos preocupar em ler as letrinhas miúdas?

Eu explico o porquê. Porque o brasileiro quando quer enganar alguém, ele escreve “a armadilha”, a “pegadinha” em letrinhas bem miudinhas, que é para desestimular a leitura.
Neste caso, o ENGÔDO vem em letras garrafais: CERVEJA SEM ÁLCOOL.

A classificação do produto não é o crime cometido pelos fabricantes de cerveja, pois, acredite: eles estão respaldados na lei do Ministério da Agricultura para tal classificação do produto.
Mas não estão autorizados a fazer PROPAGANDA ENGANOSA. Pois dizer que o produto é SEM ÁLCOOL enquanto possui, na verdade, 0,37% da substância para cada 100 gramas da bebida, é MENTIR PARA O CONSUMIDOR. E isto sim, É CRIME!



De acordo com o Decreto 2.314/97 do Ministério da Agricultura em seu artigo 10º, parágrafo 1º, a bebida considerada não alcoólica é aquela com teor de álcool até meio por cento em volume, a vinte graus Celsius.

O advogado especializado em Direito do Consumidor, Gustavo Lorenzi de Castro de São Paulo, declarou no site CONJUR (http://www.conjur.com.br/2003-fev-18/cerveja_alcool_037_alcool_cada_100)
que:

“Embasado no Código de Defesa do Consumidor, Gustavo cita mais de quatro artigos, além do Código Penal para confirmar sua alegação: art.6º, art. 7º, art. 8º e art. 9."
"Só no artigo 6º, do Código de Defesa do Consumidor as cervejarias, já feriram os três primeiros incisos", diz Gustavo.
"Sem contar, que as informações sobre o produto, principalmente aquelas que possam lesar o cliente, segundo o Código, devem se destacadas", afirmou o advogado."
"Mesmo que a informação esteja grafada, em letras minúsculas no canto do rótulo, o consumidor só consegue enxergar o anúncio que está na frente do rótulo 'sem álcool' o que constata que as empresas estão angariando o consumidor", diz Gustavo.”
O advogado ressalta que "ainda que exista a informação no rótulo da cerveja, ela não é clara, pois na verdade, segundo o Código do Consumidor, para que a informação seja considerada clara ela teria de ser ostensiva."
"Com relação ao Código Penal o Capítulo 4, "é crime a falsa indicação de conteúdo", destaca o advogado. Gustavo comenta que, neste caso, "cabe uma ação popular contra os fabricantes, que qualquer pessoa ou o Procon podem pedir."



Ainda segundo matéria do site CONJUR, “a técnica da área de alimentos do Procon de São Paulo, Renata Molina, da época da matéria, afirma que,”apesar das cervejas estarem de acordo com a regulamentação especificada pelo Ministério da Agricultura, a forma com que isso está colocado na embalagem fere o direito do consumidor.”
Ela afirma ainda que “é preciso haver uma revisão desse entendimento. A discussão é antiga, e para que o Procon possa tomar as devidas providências sobre o assunto, é preciso que algum consumidor se sinta lesado por esses produtos e além disso é necessário um parecer técnico de um médico configurando que seu paciente realmente passou mal ao ingerir a bebida.”

Me senti terrivelmente enganada e prejudicada, pois, também baseada no meu erro de julgamento, induzi outras pessoas ao erro, a quem peço publicamente perdão.
Proponho que, todos nós que nos sentimos lesados, entremos com uma ação pública contra as cervejarias, por danos morais e materiais. E se algum advogado quiser pegar esta causa, é só me procurar: monica.sampaio1@gmail.com
Vale também para quem se sentiu PREJUDICADO DE ALGUMA FORMA com este ATENTADO AO CONSUMIDOR.

Isto é muito similar ao caso do Leite. Você sabia que o Ministério da Agricultura aprova que o leite seja colocado para consumo, contendo um determinado índice de COLIFORMES FECAIS; ou seja: COCÔ?

É um desrespeito inadmissível. BASTA!